Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 28 DE JULHO DE 2016

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  27/07/2016   Ampla Energia triplica prejuízo no 2º trimestre, para R$ 110,3 milhões - A Ampla Energia e Serviços, distribuidora de energia elétrica, c...     27/07/2016   Com novo governo, fundos miram novos investimentos no país - Os setores de infraestrutura, agronegócios, saúde e educação estão na mira d...     27/07/2016   Codesp define em 15 dias detalhes de concurso público - A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) pretende realizar ainda neste a...     27/07/2016   Neblina no Porto causa prejuízo de R$ 807,6 mil - A interrupção de, aproximadamente, 16 horas no tráfego aquaviário do Porto de Santos, n...     27/07/2016   Bunge e AMAGGI ampliam parceria para escoamento de grãos via Corredor Norte - A Bunge e a AMAGGI anunciam que estão ampliando a parceria ...     27/07/2016   Governo estuda rever regras protecionistas do pré-sal, dizem fontes - A maré está virando para as petroleiras estrangeiras que em 2010 vi...     27/07/2016   Exportação pelo porto de Vila do Conde cai 70% em 2016, diz CDP - O funcionamento parcial do porto da Vila do Conde, em Barcarena, no nor...     27/07/2016   A importância de mudar, mesmo vencendo - Onix e Prisma 2017 recebem alterações de estilo e técnicas.     27/07/2016   O mito da crise como explicação para a redução nas mortes no trânsito - Poucas coisas são melhores que reclamar de tudo. Nada está bom. Q...     27/07/2016   Feira Transportar 2016 terá Encontro de Negócios - A 10ª Feira Transportar – Feira de Transporte Intermodal e Logística ocorrerá de 10 a ...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

20/12/2005

Indústria de grandes navios renasce no país

Logística

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

8,14

7 votos

O governo federal está concretizando a maior encomenda de navios feita até hoje à indústria naval brasileira.

A Petrobrás Transporte S.A. (Transpetro) recebe, no dia 28 de dezembro, os envelopes com as propostas dos oito participantes da licitação para a construção dos primeiros 26 petroleiros do Programa de Modernização e Expansão da Frota.

A iniciativa é estratégica porque representa o renascimento da indústria de grandes navios no país e equivale a um terço de todos as embarcações que o Sistema Petrobras já teve até hoje. Nessa primeira fase, o processo vai gerar 22 mil empregos. A expectativa é de que os contratos para o início das obras sejam assinados até março de 2006 e que as primeiras embarcações já estejam navegando no final do próximo ano.

Segundo o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o programa representa uma mudança de paradigma na indústria de grandes navios, que há 20 anos não realizava encomendas. A partir de uma encomenda de grande porte, segundo ele, será possível aos estaleiros investir em modernização tecnológica e se tornarem competitivos internacionalmente.

Machado lembra que a indústria de grandes navios já foi forte no país na década de 70, chegando a ocupar o segundo lugar no ranking mundial. A partir daí, passou por um processo de estagnação, que começou a ser revertido na década de 90, com a produção de plataformas e barcos de apoio.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar até 90% dos custos necessários à construção dos primeiros navios. Os recursos são do Fundo de Marinha Mercante, do Ministério dos Transportes. O prazo de Amortização é de 20 anos e os juros são de 4% ao ano.

Atualmente, dos 120 navios petroleiros usados pela Petrobrás, mais de 70 são fretados. Com o programa, a Transpetro espera reduzir essa dependência.

Programa de Modernização e Expansão da Frota

O Programa de Expansão e Modernização da Frota vai gerar 22 mil empregos na fase de construção dos navios. As premissas são de que todos os navios sejam construídos no Brasil e que pelo menos 65% de seus componentes sejam nacionais e os estaleiros se tornem competitivos internacionalmente. Serão utilizadas 290 mil toneladas de aço, 125 mil toneladas de tubos, mais de 6 milhões de litros e tintas e 2.200 quilômetros de cabos elétricos.

O processo promove ainda um aquecimento nos setores industriais que vão oferecer peças e insumos para os estaleiros, como o metalúrgico, o siderúrgico, o químico e o de instalações elétricas, por exemplo. Os navios encomendados são dos tipos Suezmax (dez unidades), Aframax (cinco unidades), Panamax (quatro), Produtos (quatro) e GLPs (três).

A característica do programa é a quebra de paradigma da indústria de grandes navios. No passado, o Brasil, construía apenas dois ou três navios de cada vez. Com a encomenda de 26 embarcações de uma só vez e de mais 16 em seguida, os estaleiros podem fazer os investimentos necessários em modernização, porque terão demanda para produzir em escala. E somente essa produção em escala é que garantirá que eles sejam competitivos em nível internacional em relação a preços, prazos e qualidade.

Segundo o presidente da Transpetro, o programa é inovador porque foi estruturado com a participação de diversos segmentos da sociedade, unindo o Sistema Petrobrás, a comunidade acadêmica, o governo, os estaleiros e representantes de sindicatos de petroleiros, marítimos e metalúrgicos.

Renascimento da indústria

A indústria brasileira de construção de navios já foi a segunda maior do mundo, gerando mais de 40 mil empregos e exportando para países como a Inglaterra, França, Alemanha, Grécia e Estados Unidos. Mas entrou em declínio no final da década de 80 e foi praticamente extinta em 1996. O último navio de grande porte fabricado no Brasil foi o Livramento, encomendado em 1987, entregue em 1996 e incorporado à frota em 1997.

Hoje, a Coréia tornou-se a maior fabricante mundial de grandes embarcações, seguida por Japão e China. Os três países concentram 89% da produção mundial, um mercado que fabrica por ano mais de 1.100 navios, com uma carteira superior a 4.700 navios e suas instalações ocupadas pelos próximos quatro anos.

Nesse período, os grandes construtores investiram continuamente em tecnologia e hoje estão entrando na quinta geração tecnológica, que tem quatro características principais: montagem em dique seco, capacidade de movimentação de grandes peças, processo automatizado de corte do aço e utilização intensiva de recursos de informática. Os estaleiros funcionam com linhas de montagem e unidades integradas, o que garante prazos de construção entre oito e 12 meses.

No Brasil, a indústria naval começou a se reerguer no ano 2000, impulsionada pelas encomendas para o offshore da Petrobrás, que continua sendo a principal cliente do setor. Essa recuperação, entretanto, ainda não tinha chegado ao segmento de construção de grandes navios. Com o Programa de Modernização e Expansão da Frota, o governo federal está criando oportunidade para o renascimento do setor.

Empresas da Licitação

As empresas que participam da licitação são as seguintes:

Rio de Janeiro - RJ

· Consórcio Rio Naval – Sermetal-Ivi (Brasil-RJ), IESA (Brasil-RJ), MPE (Brasil-RJ) e Hyunday (Coréia)
· EISA Montagem (Brasil/RJ), STX (Coréia)

Niterói - RJ
· Mauá Jurong (Brasil), Maric CSSC (China)

Angra dos Reis - RJ
· Brasfel (Brasil), Keppels Fels (Cingapura) e Daewoo (Coréia)

Recife - PE
· Camargo Corrêa (Brasil), Andrade Gutierrez (Brasil) e Mitsui (Japão)

Rio Grande - RS
· Consórcio Rio Grande – Aker Promar (Brasil), Queiroz Galvão (Brasil), Aker (Noruega) e Samsung (Coréia)
· Estaleiro Rio Grande (Brasil-RS) e Ishikawajima (Japão)

Itajaí – Santa Catarina
· Estaleiro Itajaí

 

Por emquestao@secom.planalto.gov.br

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Recomendar   Imprimir

Clique para ampliar

Leia Também

Neblina no Porto causa prejuízo de R$ 807,6 mil

Bunge e AMAGGI ampliam parceria para escoamento de grãos via Corredor Norte

Concesisonária entrega trecho de duplicação na SP 147, em Mogi Mirim

Sem chuva, Sistema Alto Tietê completa 26 dias em queda

Porto de Natal discute logística com fruticultores

Ampla Energia triplica prejuízo no 2º trimestre, para R$ 110,3 milhões

Com novo governo, fundos miram novos investimentos no país

Codesp define em 15 dias detalhes de concurso público

Governo estuda rever regras protecionistas do pré-sal, dizem fontes

Exportação pelo porto de Vila do Conde cai 70% em 2016, diz CDP

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística