Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 17 DE OUTUBRO DE 2017

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  17/10/2017   ID LOGISTICS abre nova plataforma em Moscou para PARA YVES ROCHER - Desde 2013 na Rússia e com desenvolvimento a pleno vapor, a operador ...     16/10/2017   Aéreas pedem ajuda de Temer na aprovação de acordo que amplia voos com os EUA - Representantes das empresas de aviação American Airlines ...     16/10/2017   BR-116 pode ficar sem recursos para 2018 - Veja no link do título a matéria na integra:...     16/10/2017   Empresas ainda acreditam que o custo com o transporte é um grande vilão - MOVIMAT abre as portas no São Paulo Expo e apresenta soluções a...     16/10/2017   CART encerra operação especial de feriado - Concessionária realizou 907 serviços aos usuários durante o período; tráfego de veículos flui...     16/10/2017   Drones transportando sangue e medicamentos entre hospitais - Muito interessante este vídeo divulgado no portal Futuro Exponencial.     16/10/2017   Axis apresenta tecnologia de radar IP - A tecnologia detecta objetos em movimento mesmo em total escuridão ou sob chuva intensa.     16/10/2017   Multilog recebe materiais do Cirque du Soleil - Focada no sucesso da operação, a equipe Multilog montou um planejamento estratégico que r...     16/10/2017   RGE finaliza mais uma etapa de grande plano de aumento da capacidade de energia em Passo Fundo - Valor total do investimento passa de R$ ...     16/10/2017   Mix Telematics lança soluções de telemetria para reduzir custos e aumentar eficiência de frotas durante a Fenatran 2017 - Entre os dias 1...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

21/04/2017

Privatização das docas exigirá modelo diferente para cada porto

Logística

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

20/04/2017 - Valor Econômico

A decisão do governo de privatizar as companhias docas, começando pela do Espírito Santo (Codesa), promete gerar calorosas discussões. Especialistas avaliam que para ser bem-sucedida a iniciativa precisará atender às especificidades de cada uma das oito companhias docas, que administram portos muito diferentes entre si. Por isso, não haverá "a bala de prata" a ser aplicada verticalmente em todas as administrações.

O sócio da Terrafirma, David Goldberg, entende que há dois tipos de concessão: a cheia, em que o privado assumirá da gestão do condomínio aquaviário à operação de cargas; e a concessão somente da administração. A concessão cheia tende a ser mais viável em portos ainda em crescimento, onde não existem - ou há muito poucos - arrendatários de terminais (subconcessionários de áreas nos portos públicos). É mais atrativa porque grande parte da receita está na operação. Por outro lado, tende a criar conflitos onde existem muitos terminais arrendados.

"Fazer no porto de Santos não funciona. Para portos mais maduros, com muitos arrendamentos, o modelo de concessão somente da administração é mais aplicável", avalia Goldberg.

A privatização das companhias docas é discutida de tempos em tempos, mas nunca foi enfrentada. A decisão de levar o assunto adiante foi tomada recentemente, depois que o governo conseguiu desenrolar questões mais urgentes, como os terminais de uso privado (TUPs), e lançar arrendamentos. Agora, Brasília avalia haver espaço para abrir essa nova frente.

Uma fonte que acompanha a discussão pontua que os dois modelos de administração já testados na história recente do setor não lograram o êxito esperado. Da criação da agência reguladora do setor, Antaq, em 2001, até a Medida Provisória dos Portos, em 2012, que gerou a nova Lei dos Portos, foram feitas apenas dez licitações de áreas novas em 34 portos públicos, índice muito baixo.

Essa foi uma das razões que levaram o governo a recentralizar o planejamento e as licitações em Brasília. Mas desde a nova lei do setor, de 2013, o sucesso do programa de arrendamentos é considerado relativo. Cinco terminais foram leiloados, a maioria porque os contratos estavam vencidos. Um dos leilões foi revogado (o da Marimex) e houve uma tentativa fracassada (Vila do Conde, em 2015, deu "vazio"). "Talvez seja a hora de deixar o privado fazer", diz a fonte.

Uma questão bastante sensível é o destino da mão de obra das administradoras portuárias. O governo sabe que será um tema espinhoso e quer abrir desde o início o diálogo com os trabalhadores.

O objetivo da privatização é dar mais eficiência aos portos públicos - que em geral vêm perdendo espaço para os TUPs. A meta é melhorar não só a logística, mas sobretudo a gestão, eliminando o aparelhamento político e dando mais flexibilidade para compras e contratações de serviços, hoje engessadas pela Lei de Licitações.

Outros dois problemas quase unânimes das docas são os passivos trabalhista e financeiro e a falta de recursos para investimentos essenciais como dragagem.

"A pergunta que não quer calar é quem se interessaria por comprar? Não vejo ninguém no mercado. A fonte de receita de uma companhia docas é tarifa pelo fornecimento de infraestrutura e pelo arrendamento. Essa receita teria de cobrir os custos, permitir investimentos e proporcionar margem para o negócio", diz Fabrizio Pierdomenico, sócio da Agência Porto. Ele, que já trabalhou na Secretaria de Portos, defende um modelo híbrido, em o que o Estado não abre mão de ser o gestor mas os serviços condominiais são licitados.

Wilen Manteli, presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), sustenta há tempos que as docas não são mais administráveis, têm excesso de funcionários, "embora haja técnicos muito bons", e que a única saída é buscar um novo modelo jurídico de gestão. "Seja concessão ou PPP, ainda que o governo mantenha o controle". O BNDES deverá definir o modelo de concessão e conduzir os estudos.

 

Por Valor Econômico - SP

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

BR-116 pode ficar sem recursos para 2018

CART encerra operação especial de feriado

Multilog recebe materiais do Cirque du Soleil

RGE finaliza mais uma etapa de grande plano de aumento da capacidade de energia em Passo Fundo

Rodovias do Tietê contabiliza mais de 388 mil veículos durante feriado da Padroeira

ID LOGISTICS abre nova plataforma em Moscou para PARA YVES ROCHER

Telebras adia para o próximo dia 31 leilão de satélite geoestacionário

Aéreas pedem ajuda de Temer na aprovação de acordo que amplia voos com os EUA

Empresas ainda acreditam que o custo com o transporte é um grande vilão

Drones transportando sangue e medicamentos entre hospitais

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística