Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 21 DE JUNHO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  21/06/2018   LATAM é reconhecida como a companhia aérea da América do Sul - Com a melhor experiência global de passageiros . Prêmios APEX Passenger Ch...     21/06/2018   Aeronaves conectadas economizarão US$ 15 bilhões por ano - E 21,3 milhões de toneladas de emissões de CO2 até 2035. A mudança em direção ...     21/06/2018   Helibras celebra formação de 15 mil alunos em seu Centro de Treinamento - Alguns dos treinamentos podem ser executados na própria sede do...     21/06/2018   A Ética e o Roubo de Cargas - O roubo e furto de caminhões sempre motivou o crime organizado. Para se ter uma ideia, um veículo de porte ...     21/06/2018   A Questão do Saneamento Básico no Brasil - O saneamento básico no Brasil é uma das questões mais preocupantes em relação à população, esp...     21/06/2018   O que mudou depois de um mês da greve dos caminhoneiros - Somente parte do que foi prometido para categoria encerrar paralisação no país ...     21/06/2018   EPE tenta achar "acordo" para risco hidrológico - Entidades do setor elétrico ainda tentam incluir uma solução para o déficit de geração ...     21/06/2018   Elétricas perdem R$ 65 bi em valor desde 2013 - O setor elétrico brasileiro destruiu pelo menos R$ 65 bilhões em valor nos últimos cinco ...     21/06/2018   Ações da União na Eletropaulo são incluídas no plano de desestatização - BRASÍLIA - O governo federal incluiu as ações ordinárias de emis...     21/06/2018   Superfaturamento no Rodoanel pode somar R$ 600 milhões, diz MPF - SÃO PAULO - (Atualizada às 10h30) O Ministério Público Federal em São P...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

14/06/2018

Como a concessão em blocos impulsionará o desenvolvimento do País

Artigos / Entrevistas

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

Iniciado em 2011, com a concorrência pública internacional do complexo aeroportuário de São Gonçalo do Amarante (RN), o programa de concessões aeroportuárias do governo federal tem um saldo extremamente positivo para o país.

Foram 10 aeroportos transferidos para a administração privada através de leilões que geraram R$ 49 bilhões em outorgas para o governo (aplicados tanto em obras da Infraero como no programa de aeroportos regionais). E um robusto fluxo de investimentos para aumento da capacidade operacional, modernização e adequação de instalações, sistemas e equipamentos, na ordem de R$ 33 bilhões, além da ampliação de diversificação das atividades e receitas comerciais.

Agora, partimos para a quinta rodada de concessões. Estudos de viabilidade concluídos, audiências públicas marcadas para este mês de junho e leilão previsto para o fim de 2018. Buscando aperfeiçoar o processo, novos conceitos e mecanismos foram adotados.

As rodadas anteriores esgotaram o modelo de concessão individual de aeroportos. Aqueles de maior atratividade foram oferecidos à iniciativa privada e estão, hoje, em plena operação. Por outro lado, a Infraero viu reduzir sua receita em mais de 50%, sem a correspondente diminuição nos custos. Como a estatal administra a rede num sistema de subsídios cruzados (os superavitários compensam os deficitários), a continuidade do modelo de concessão individual levaria a Infraero à insolvência.

Ressalte-se que o Brasil não pode prescindir de um instrumento público para a gestão de aeroportos. Assim, para a continuidade do programa e a garantia da sustentabilidade da Infraero, a solução foi modelar a concessão por blocos de aeroportos, mesclando unidades superavitárias com deficitárias, mas com um resultado agregado positivo.

A definição dos blocos considerou não somente critérios geográficos mas também a característica econômica da região e sua compatibilidade com a vocação dos aeroportos nela existentes, de modo que a infraestrutura seja uma alavanca efetiva do desenvolvimento econômico e social regional. Dessa forma, tem-se sinergia entre os terminais e a vocação da região, o que se soma aos outros benefícios dessa modelagem, como ganhos de escala (gestão, suprimentos, serviços); possibilidade de inclusão de ativos que não alcançariam viabilidade econômica para concessões individuais; provisão de infraestrutura adequada e gestão privada a aeroportos de menor porte; e indução à formação de centros regionais de conexão de voos (hubs) e novas rotas alimentadoras (feeders).

Do ponto de vista institucional, a atual modelagem segue a recomendação feita pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Federal, em dezembro de 2016.

Esta nova rodada, além do modelo de concessão em blocos, incorporou outras inovações, algumas expostas a seguir: A outorga não terá uma componente fixa. Será composta por uma contribuição inicial (que será o fator de decisão do leilão) e outra, variável – uma porcentagem sobre a totalidade da receita bruta da concessionária, calculada com base nos fluxos de caixa dos estudos de viabilidade.

O menor comprometimento do fluxo de caixa do negócio com a outorga, no período inicial da concessão, e o compartilhamento de riscos a partir da cobrança apenas da contribuição variável tendem a dar maior sustentabilidade financeira ao empreendimento.

Foi reduzido o número de investimentos obrigatórios e intensificado o uso de gatilhos de demanda. Isso vai evitar dispêndios duvidosos e compatibilizar os investimentos com a demanda. Já os investimentos iniciais passam a ter uma lógica de rede, dado que foram estabelecidos pela adequação dos sistemas de pista e pátio para que os aeroportos estejam habilitados a operar, no mínimo, com aeronaves como o Airbus-318, os aviões regionais da Embraer, ou o ATR-72.

Somam-se ao conjunto de novas diretrizes a flexibilização do nível de serviço, a introdução de uma “receita teto por passageiro” nos aeroportos principais de cada lote, e a possibilidade de submissão, pela concessionária, apoiada pelas empresas aéreas, de proposta para alterar as restrições à tarifação dos serviços ou modificar um ou mais parâmetros da concessão que irão vigorar no quinquênio subsequente à revisão periódica dos contratos.

Mas será por meio das audiências públicas que se construirá o modelo de referência para o edital, que assim será mais consistente e representativo que a proposta inicial. E com todas as condições para a continuidade deste exitoso programa.

Por: Dario Rais Lopes, engenheiro de Aeronáutica e Secretário Nacional de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

 

Por Portal Fator Brasil - Dario Rais Lopes **

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

A Ética e o Roubo de Cargas

A Questão do Saneamento Básico no Brasil

Privatizar, oportunidade para crescer

A Desculpa Perfeita

Diesel Euro 5 - um pau que nasceu torto...

LATAM é reconhecida como a companhia aérea da América do Sul

Aeronaves conectadas economizarão US$ 15 bilhões por ano

Helibras celebra formação de 15 mil alunos em seu Centro de Treinamento

O que mudou depois de um mês da greve dos caminhoneiros

EPE tenta achar "acordo" para risco hidrológico

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística