Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 20 DE SETEMBRO DE 2017

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  20/09/2017   FERROGRÃO: A MAIOR APOSTA DO PPI - Foi com entusiasmo que o secretário do PPI (Programa de Parceria de Investimentos), Tarcísio de Freita...     20/09/2017   QUEM, AFINAL, INVESTIRIA EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL? - Sempre que ler algo sobre problemas para investir no Brasil, falta de atratividad...     20/09/2017   Crianças de escola municipal de Salvador participam de atividades durante a Semana Nacional de Trânsito - Muro grafitado com a ajuda das ...     20/09/2017   OMC: a derrota anunciada - SÃO PAULO – Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede...     20/09/2017   CPFL Energia avança na digitalização do atendimento ao cliente com reformulação do aplicativo “cpflenergia” - Novo aplicativo amplia de 1...     20/09/2017   CART leva ação “Saúde & Cidadania” para Paulistânia e Salto Grande - Concessionária oferecerá testes gratuitos de saúde e orientações sob...     20/09/2017   Estado do Rio retoma programa de privatizações para cortar despesas - Na esteira da adesão do Rio de Janeiro ao Regime de Recuperação Fis...     20/09/2017   Mercedes-Benz lança o eCanter nos EUA e anuncia UPS como parceira - A Daimler fez o lançamento global do FUSO eCanter em Nova York. No la...     20/09/2017   TRENSURB REALIZA CONSULTA PÚBLICA REFERENTE À MODERNIZAÇÃO DA BILHETAGEM ELETRÔNICA - Consulta possibilita a realização de contribuições ...     20/09/2017   Câmara votará criação do Plano Nacional de Redução de Mortes no Trânsito - Anúncio foi feito pela relatora da matéria na Câmara, Christia...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

19/06/2017

A suposta influência do Proálcool nos persistentes altos níveis de Ozônio em São Paulo

Artigos / Entrevistas

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

18/06/2017 12:00 - Olimpio Alvares


Má notícia! Material particulado ultrafino cancerígeno (MP) e Ozônio (O3) aumentaram na atmosfera de São Paulo, segundo recente estudo científico apoiado pela Fapesp. Veja:

http://agencia.fapesp.br/_grande_sp_precisa_controlar_a_emissao_dos_veiculos_a

_diesel/25482/

Além do MP, cujo risco de aumento expressivo dos índices de morbi-mortalidade por doenças cardiorrespiratórias não é exatamente uma novidade, o estudo aponta um outro evidente e grave risco à saúde pública na terra das jabuticabas: os altos níveis de O3 persistem, em que pesem os programas de controle de emissões de veículos novos e de combustíveis alternativos.

A presença na atmosfera de substâncias como os aldeídos e o etanol não queimado, devido ao uso automotivo do álcool em larga escala - adicionado à nossa gasolina, e no estado puro nos veículos flex - pode ser uma provável causa da persistência histórica das altas concentrações do ozônio na atmosfera da área metropolitana de São Paulo, ao contrário do que tem sido sugerido há décadas na defesa da política nacional de uso desse biocombustível.

Outras cidades do mundo que não usam biocombustíveis em larga escala, como Los Angeles e a própria Cidade do México, conseguiram reduzir o ozônio desde a adoção dos catalisadores nos veículos leves no início da década dos anos noventa. Trata-se, porém, de um complexo fenômeno fotoquímico relacionado com fatores locais conjunturais, climáticos e meteorológicos, o que torna imprópria a comparação do caso de São Paulo com qualquer outra cidade do planeta; mas a queda gradual do O3 nessas cidades, não deixa de ser um indício a ser registrado.

Refiro-me, entretanto, ao surpreendente estudo publicado na Revista Nature de pesquisadores de Londres e Illinois, Alberto Salvo e Franz Geiger, que analisa a serie histórica dos níveis de ozônio na área metropolitana de São Paulo, cotejada com a serie histórica do consumo relativo de gasolina/etanol na região ao longo dos últimos anos. O estudo levanta indícios preocupantes sobre uso de biocombustíveis em larga escala, dada a suposta influência positiva e relevante na formação do ozônio.

Os defensores do etanol combustível e os organismos ambientais e de saúde pública brasileiros deveriam preocupar-se seriamente em patrocinar um estudo profundo para tentar provar que esses pesquisadores estariam supostamente equivocados. Enquanto não o fazem, a ciência oficial seguirá apontando o suposto equívoco ambiental numa das principais políticas públicas do tipo "jabuticaba" do País: o Proálcool.

A única ação (passiva) observada até este momento, da parte dos representantes dos produtores de etanol, especialistas e autoridades oficiais, tem sido a simples negação dos graves indícios e a reiterada acusação pública, carente de fundamentação, da suposta incompetência dos pesquisadores. Falta, portanto, numa situação de tamanha relevância para a saúde de dezenas de milhões de brasileiros que habitam as grandes metrópoles, uma justificativa científica plausível e consistente, à altura do estudo da Nature.

Na opinião de alguns cientistas da área das ciências atmosféricas, brasileiros e internacionais, com quem já tive a oportunidade de debater o tema e o estudo da Revista Nature, a metodologia usada parece ser consistente e sinaliza algo bastante preocupante para as populações de grandes cidades brasileiras.

Assim, já passa da hora de a comunidade técnica ambiental no Brasil, em parceria com os produtores de etanol, a indústria automotiva e o setor acadêmico, tirarem a cabeça de avestruz da terra e proporem um estudo cientifico de alto nível para investigar o reportado fenômeno da redução expressiva dos níveis de ozônio, proporcional ao aumento relativo do consumo de gasolina em relação ao etanol, conforme ocorrido nos últimos anos, quando houve uma inversão no padrão de consumo do etanol em função do preço congelado da gasolina.

Um eventual saudável contraponto ao estudo da Revista Nature, seria o mínimo que os setores ambiental, saúde, automotivo e dos produtores de etanol poderiam produzir, diante desse delicado momento crucial, onde o novo Regime Automotivo (Rota 2030) está na iminência de inundar as ruas brasileiras com incentivos fiscais aos veículos flex movidos predominantemente a etanol hidratado.

O polêmico estudo da Nature é citado aqui:

https://news.northwestern.edu/stories/2014/04/ozone-levels-drop-20-percent-with-switch-from-ethanol-to-gasoline

Olimpio Alvares é Diretor da L'Avis Eco-Service, especialista em transporte sustentável, inspeção técnica e emissões veiculares; concebeu o Projeto do Transporte Sustentável do Estado de São Paulo, o Programa de Inspeção Veicular e o Programa Nacional de Controle de Ruído de Veículos; fundador e Secretário Executivo da Comissão de Meio Ambiente da Associação Nacional de Transportes Públicos - ANTP; Diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades - SOBRATT; consultor do Banco Mundial, da Comissão Andina de Fomento - CAF e do Sindicato dos Transportadores de Passageiros do Estado de São Paulo - SPUrbanuss; é membro titular do Comitê de Mudança do Clima da Prefeitura de São Paulo; colaborador do Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama, Instituto Saúde e Sustentabilidade, Instituto Mobilize, Clean Air Institute, World Resources Institute - WRI-Cidades, Climate and Clean Air Coalition - CCAC, do International Council on Clean Transportation - ICCT e do Ministério Público Federal; é ex-gerente da área de controle de emissões veiculares da Cetesb, onde atuou por 26 anos; faz parte da coordenação da Semana da Virada da Mobilidade.

 

Por ANTP - Olimpio Alvares **

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

OMC: a derrota anunciada

TRÂNSITO NO BRASIL: UM ASSUNTO PARA EGOÍSTAS

Foco no que interessa ao Brasil

Convergência necessária

O crescimento voltou

FERROGRÃO: A MAIOR APOSTA DO PPI

QUEM, AFINAL, INVESTIRIA EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL?

Crianças de escola municipal de Salvador participam de atividades durante a Semana Nacional de Trânsito

CPFL Energia avança na digitalização do atendimento ao cliente com reformulação do aplicativo “cpflenergia”

CART leva ação “Saúde & Cidadania” para Paulistânia e Salto Grande

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística