Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 21 DE JUNHO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  21/06/2018   LATAM é reconhecida como a companhia aérea da América do Sul - Com a melhor experiência global de passageiros . Prêmios APEX Passenger Ch...     21/06/2018   Aeronaves conectadas economizarão US$ 15 bilhões por ano - E 21,3 milhões de toneladas de emissões de CO2 até 2035. A mudança em direção ...     21/06/2018   Helibras celebra formação de 15 mil alunos em seu Centro de Treinamento - Alguns dos treinamentos podem ser executados na própria sede do...     21/06/2018   A Ética e o Roubo de Cargas - O roubo e furto de caminhões sempre motivou o crime organizado. Para se ter uma ideia, um veículo de porte ...     21/06/2018   A Questão do Saneamento Básico no Brasil - O saneamento básico no Brasil é uma das questões mais preocupantes em relação à população, esp...     21/06/2018   O que mudou depois de um mês da greve dos caminhoneiros - Somente parte do que foi prometido para categoria encerrar paralisação no país ...     21/06/2018   EPE tenta achar "acordo" para risco hidrológico - Entidades do setor elétrico ainda tentam incluir uma solução para o déficit de geração ...     21/06/2018   Elétricas perdem R$ 65 bi em valor desde 2013 - O setor elétrico brasileiro destruiu pelo menos R$ 65 bilhões em valor nos últimos cinco ...     21/06/2018   Ações da União na Eletropaulo são incluídas no plano de desestatização - BRASÍLIA - O governo federal incluiu as ações ordinárias de emis...     21/06/2018   Superfaturamento no Rodoanel pode somar R$ 600 milhões, diz MPF - SÃO PAULO - (Atualizada às 10h30) O Ministério Público Federal em São P...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

14/06/2018

Altas taxas de financiamento impedem renovação da frota

Economia

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

Mesmo com a Selic alcançando seu menor nível histórico, as taxas praticadas atualmente estão mais altas do que em 2013.

A Selic (taxa básica de juros) alcançou o seu menor patamar da história – 6,5% ao ano. Os juros sobre o crédito para a aquisição de veículos, porém, não seguem a trajetória de queda, o que prejudica transportadores que dependem dos financiamentos para investir na modernização e ampliação da frota.  Segundo o boletim Economia em Foco, divulgado pela CNT no fim de abril, as taxas médias para financiamentos, hoje, estão mais altas do que estavam em 2013, quando a Selic era de 7,25% ao ano. 

No começo de 2013, o financiamento de veículos novos para pessoas jurídicas tinha juros médios de 16,41%; no primeiro bimestre de 2018, ficou em 16,44%. Para pessoas físicas, a diferença é ainda maior: a taxa média, que era de 20,32% em 2013, chegou a 22,60% neste ano. 

Para o diretor de economia da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel José Ribeiro de Oliveira, as taxas de juros finais estão em tendência de queda, mas ainda estão longe dos patamares anteriores à crise econômica iniciada há cinco anos. “[À época] houve uma elevação substancial dos juros e, por conta da recessão, os bancos foram muito pessimistas em função do desemprego e subiram muito as taxas.” 

Segundo ele, a inadimplência, mesmo em trajetória de queda, ainda preocupa. “É claro que não é algo que justifique esse patamar, mas o fato é que os juros subiram muito e, agora, estão caindo a conta-gotas.”

Vale lembrar que, no primeiro bimestre de 2018, do saldo total de crédito disponível para as empresas para aquisição de veículos, 5,1% estavam atrasados na média de janeiro e fevereiro contra 8,6% cinco anos atrás. Já para pessoas físicas, 6,6% estavam com atraso entre 15 e 90 dias, enquanto, no primeiro trimestre de 2013, esse valor era de 8,6%. 

Além disso, no primeiro trimestre deste ano, do saldo total de crédito para pessoas jurídicas para aquisição de veículos, 2,7% estavam inadimplentes, contra 4,8% em 2013. Em relação ao crédito tomado pelas pessoas físicas, a inadimplência registrou 3,7% na média de janeiro a março de 2018. No primeiro trimestre de 2013, ela era de 6,4%.

Mesmo com a redução dos atrasos dos pagamentos e da inadimplência, os transportadores e os brasileiros de maneira geral estão pagando mais caro para adquirirem veículos hoje e, diante desse cenário, o questionamento que fica é: por que as taxas não caem? Oliveira pondera que essa relação não diz respeito apenas à Selic, já que ela é apenas um dos itens que compõem o custo final. 

“Quando você vai fazer um financiamento de uma casa, de uma geladeira ou de um automóvel, existe uma taxa de juros anunciada, por exemplo, de 2% ao mês. Dentro dessa taxa, estão embutidos cinco grupos de despesa: a Selic, impostos compulsórios, despesas administrativas (custos de empregado, de processos, agências), o risco (a previsão de perda) e a margem da empresa”, explica.

Incerteza

Outro fator que dificulta esse processo de queda é a concentração de crédito registrada no Brasil. Os cinco principais bancos detêm quase 80% do volume de crédito do país. Quem descreve esse quadro é o economista da LCA Consultores, Fernando Sampaio, segundo o qual, a falta de competição também ajuda a explicar por que as taxas de juros não são reduzidas mais fortemente. 

De acordo com ele, as instituições financeiras ficaram reticentes por conta da recessão, fazendo com que algumas “tirassem o pé” dos investimentos para esse segmento. “No fundo, quem está no mercado de financiamento de transporte, falando mais do segmento automotivo, são Bradesco, Itaú, Santander, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. A estratégia do Itaú e do Bradesco está sendo a de tirar a ênfase. Eles estão aceitando perder participação no mercado, ou seja, não estão brigando com tanta força como antes. O Santander está com apetite e fechou parceria com algumas montadoras e é quem está abocanhando maior participação de mercado no período recente.” Para ele, o fato é que, se há dois dos cinco grandes desacelerando, a concorrência no segmento é afetada. 

“A impressão que se dá é a de que, não só no segmento automotivo, mas de uma forma geral, a cautela dos bancos está grande em função da incerteza em relação ao médio prazo.  No curto prazo, neste ano, digamos, existe um pouquinho de pressão no câmbio, o que pode atrapalhar os custos, mas isso não é algo tão dramático. O que complica é a incerteza quanto ao que acontecerá na economia no ano que vem. A incerteza política vira incerteza econômica. Portanto, há menos ímpeto para assumir riscos.” 

Ele avalia que o motivo da inadimplência está perdendo força e que o grande receio dos bancos é um repique da inadimplência no futuro próximo “em função de um cenário de conturbação política”.

Nova agenda

Para tentar mitigar as anomalias do mercado, busca-se reduzir os spreads bancários (diferença entre o custo do dinheiro para o banco – o quanto ele paga ao tomar empréstimo –  e o quanto ele cobra para o consumidor na operação de crédito) e baratear o crédito e, para isso, o Banco Central vem investindo em uma série de iniciativas no âmbito da chamada Agenda BC+. 

“Em termos de corte na Selic, o BC já fez muita coisa, colocando na sua agenda, com uma ênfase que não havia, medidas para aumentar a concorrência e/ou para diminuir o fator inibidor representado pelo não pagamento. Não há como diminuir a inadimplência, claro, mas, sim, o estrago que ela faz sobre o custo.” Entre as medidas, está a proposta de instituir um cadastro positivo, que consiste em discernir o bom pagador do mau pagador, penalizando apenas este. “Hoje, se você não sabe se o indivíduo é um bom ou mau pagador, na dúvida, toca no preço. Se você tem mais segurança de que o histórico é bom, terá mais confiança para oferecer uma taxa mais competitiva”, diz Sampaio.

Também está em análise, no Congresso Nacional, a proposta que regulamenta o registro eletrônico de duplicatas – título de crédito que, por ter força equivalente a uma sentença judicial transitada em julgado, pode ser executado para cobrar débitos decorrentes de operações de compra e venda a prazo, o que não ocorre com boletos e notas promissórias, que precisam ser contestados judicialmente.  “Essa é uma agenda mais regulatória e, portanto, mais lenta; não é tudo uma decisão administrativa, existem coisas que passam pelo Congresso, como o cadastro positivo e a duplicata eletrônica.”

A agenda, entretanto, tem esbarrado na resistência dos parlamentares ou na lentidão dos trabalhos do Legislativo em ano de eleições. Sem que o spread caia, a forte redução da taxa de juros básica da economia, ao menor patamar da história, acaba sendo inócua, pois tem baixo impacto nos juros finais dos empréstimos do banco. 

O economista Fernando Sampaio salienta que o governo precisa continuar promovendo os ajustes e as reformas estruturais para que a confiança do mercado nas políticas econômicas seja garantida e a inflação e a Selic se mantenham baixas. 

Diante disso, os especialistas ouvidos pela reportagem consideram mais prudente esperar até a transição do governo, no ano que vem, para fazer planos de troca de caminhão ou de ampliação da frota, à exceção de alguns casos. Segundo eles, até lá, os bancos estarão mais tranquilos para emprestar, e os juros seguirão em trajetória descendente.

Acesse aqui o simulador online de financiamento de veículos da CNT







Diego Gomes
Agência CNT de Notícias

 

Por Agência CNT de Notícias

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Elétricas perdem R$ 65 bi em valor desde 2013

Ações da União na Eletropaulo são incluídas no plano de desestatização

Caminhoneiros e conta de luz pressionam IPCA-15 de junho

Cresce mobilização pela Térmica de Rio Grande

Petrobras poderá negociar até 70% em áreas de cessão onerosa do pré-sal

LATAM é reconhecida como a companhia aérea da América do Sul

Aeronaves conectadas economizarão US$ 15 bilhões por ano

Helibras celebra formação de 15 mil alunos em seu Centro de Treinamento

A Ética e o Roubo de Cargas

A Questão do Saneamento Básico no Brasil

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística