Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 24 DE ABRIL DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  23/04/2018   A ANGÚSTIA E AS ALTERNATIVAS NA LUTA PELA DUPLICAÇÃO - A mobilização da zona sul gaúcha em torno da duplicação da BR-116, reforçada pelo ...     23/04/2018   Área rural busca mais energia - Na primeira metade desta década, o programa Luz Para Todos foi encerrado no Rio Grande do Sul com o saldo...     23/04/2018   Mobilização cobra ação do governo federal para conclusão da BR-116 - Uma mobilização em torno das intermináveis obras de duplicação do tr...     23/04/2018   Porto de Santos: difícil acesso - SÃO PAULO – Embora seja responsável por 27% da movimentação do comércio exterior brasileiro, o porto de...     23/04/2018   CCR NovaDutra realiza operação especial de atendimento no feriado do Dia do Trabalho - Tráfego na via Dutra deve aumentar a partir da tar...     23/04/2018   OpenTech anuncia vencedores do Prêmio Mover Eficiência em Logística - Indústria do segmento agroquímico, a Adama Brasil conquistou o prim...     23/04/2018   Programa Caminhos para Cidadania oferece formação EAD aos professores da rede pública de ensino de Osasco - A formação atenderá mais de 5...     23/04/2018   AB Triângulo do Sol realiza palestra sobre segurança viária na Embrapa de São Carlos - A AB Triângulo do Sol, concessionária do Programa ...     23/04/2018   Região da Ceasa, na rodovia D. Pedro I, passa por obras e mudanças até quarta-feira (25/04) - Rota das Bandeiras faz os trabalhos finais ...     23/04/2018   Importações crescem 77% no Terminal de Cargas do Aeroporto de Boa Vista - O terminal de logística de cargas (Teca) do Aeroporto Internaci...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

03/12/2017

Frentes contra privatização da Eletrobras somam 406 deputados e 4 senadores

Política

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

Três frentes parlamentares contra a desestatização da Eletrobras somam 406 deputados e quatro senadores em suas composições, ou cerca de 70 por cento dos integrantes Congresso Nacional, o que evidencia possíveis dificuldades do presidente Michel Temer para aprovar o seu principal programa de privatização, que pode render 12 bilhões de reais ao Tesouro em 2018.

Os parlamentares integram duas frentes recém-criadas contra a privatização de subsidiárias da Eletrobras (Furnas e Chesf) e uma em defesa do setor elétrico, que se juntou ao movimento contra a privatização.

O governo inicialmente pensou em enviar uma proposta do modelo de privatização da companhia ao Congresso por medida provisória, mas depois o presidente Temer optou por encaminhar o assunto via projeto de lei, para agradar os parlamentares.

O PT, que tem liderado a oposição ao governo do presidente Michel Temer, é o partido com maior número de membros nas frentes, com 56 nomes, mas em seguida aparece o PMDB, sigla de Temer, com 52 parlamentares.

Embora a presença nos grupos não signifique que um parlamentar vai de fato votar de acordo com a posição defendida pela frente, os números indicam que Temer pode ter algum trabalho para convencer o Congresso a aprovar a privatização no período pré-eleitoral de 2018.

“Tem muita gente que entra em uma frente por questões de seu Estado, da região onde o parlamentar tem voto, ou se ele tem alguma relação com aquele setor… então o número (de parlamentares nas frentes) é alto, mas não quer dizer muita coisa”, disse à Reuters o cientista político César Alexandre Carvalho, da CAC Consultoria Política.

Ele lembrou que o governo Temer já conseguiu vitórias significativas no Congresso, mas ressaltou que o Planalto tem enfrentado nos últimos dias uma dura batalha para tentar garantir a aprovação da reforma da Previdência pelos parlamentares.

Por outro lado, há um alto percentual de políticos da base aliada nas frentes relacionadas à Eletrobras –além do PMDB, PP e PR estão entre os cinco partidos com mais membros nos grupos. Isso pode reduzir dificuldades para aprovação, mas não sem um custo político, como a exigência de aprovação de emendas e cargos em troca dos votos, por exemplo.

“Vai entrar nesse jogo político… resta saber se o governo tem como ‘pagar o preço’ disso para os parlamentares… tem esse dinheiro em caixa? Porque tem que ‘pagar’ a privatização da Eletrobras e tem que ‘pagar’ a reforma da Previdência”, disse Carvalho.

Ele ponderou que, por outro lado, uma eventual derrota na Previdência pode fazer o governo jogar todas as fichas nas propostas de privatizar a Eletrobras, numa operação que deve envolver oferta pública de novas ações da companhia, reduzindo a União a uma fatia menor na elétrica frente aos novos controladores.

Na terça-feira, o presidente da elétrica, Wilson Ferreira Jr., disse a jornalistas que está otimista com a possibilidade de aprovação do projeto de lei com a modelagem de desestatização da companhia. Ele disse avaliar que ainda há tempo para aprovar o texto neste ano na Câmara dos Deputados e levá-lo ao Senado no início de 2018.

No entanto, numa sinalização das dificuldades que o governo vai enfrentar neste processo, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira um projeto de decreto legislativo que prevê a exigência de a proposta de privatizar a Eletrobras ser submetida a um referendo popular.

Mas o projeto do referendo depende do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) –alinhado com Temer– para ser apreciado no Plenário da Casa, o que reduz as chances de isso acontecer.

Procurado, o Ministério de Minas e Energia não quis comentar o assunto.

AS FRENTES

Frentes parlamentares em defesa das subsidiárias da Eletrobras, Furnas e Chesf, foram criadas em setembro e outubro, pouco após o governo anunciar em agosto os planos de privatizar a empresa como um todo.

Já uma frente parlamentar de “Defesa do Setor Elétrico Brasileiro”, criada em fevereiro de 2016 também se engajou contra a privatização, segundo a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), coordenadora do grupo.

Somados os parlamentares em todas as frentes e excluídos os nomes repetidos, resta uma lista de 410 nomes.

Desse total, 56 são do PT e 52 do PMDB; há, ainda, 34 políticos do PP, 31 do PSB e 28 do PR, além de 26 votos do PSDB, 24 do PSDB e 18 do DEM, entre outros.

Fonte: Reuters

 

Por REUTERS

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Novo secretário assume a pasta de Logística e Transportes

Taques aponta "culpados" por atraso do VLT e lembra luta contra corrupção em MT

Companhia Docas do Estado de São Paulo troca dois gerentes

Após saída turbulenta, Adalberto Tokarski retorna à diretoria da Antaq

Juiz concede liminar que suspende reajuste no Portus

A ANGÚSTIA E AS ALTERNATIVAS NA LUTA PELA DUPLICAÇÃO

Área rural busca mais energia

Mobilização cobra ação do governo federal para conclusão da BR-116

Porto de Santos: difícil acesso

CCR NovaDutra realiza operação especial de atendimento no feriado do Dia do Trabalho

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística