Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 1 DE OUTUBRO DE 2016

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  01/10/2016   Colaboração é a chave para a transformação em Procurement e Supply chain - Como uma empresa pode alinhar os interesses e as demandas dos ...     01/10/2016   Vitória a bordo - A Azul Linhas Aéreas Brasileiras terá uma ação marcante e inédita no Outubro Rosa deste ano. Em parceria com a Federaçã...     01/10/2016   DHL desmistifica tendências comerciais na Ásia e revela implicações para a cadeia de suprimentos - Desde 2009, a DHL Global Forwarding pr...     01/10/2016   Wilson Sons Logística amplia operações em Santo André - Área de Centro de Distribuição conta agora com 17 mil m² e aumenta a oferta de so...     01/10/2016   Gerenciar riscos em transportes e redução de acidentes - O mercado de transportes é um dos que mais sofre. São roubos e furtos de cargas,...     01/10/2016   A importância de resgatar os valores da empresa - Antes de falar sobre a empresa, vamos falar sobre as pessoas. Afinal, são elas que faze...     01/10/2016   Renault-Nissan e Daimler intensificam parceria - Primeiros resultados da associação estratégica começam a aparecer.     01/10/2016   PSA quer retomar 5% do mercado brasileiro com Peugeot e Citroën - América Latina agora dá lucro, mas Brasil ainda fica no vermelho.     01/10/2016   Paris: liberdade, conectividade e eletromobilidade - Autônomos, conectados, elétricos e compartilhados são tendências.     01/10/2016   Powels quer ganhar mercado para VW na América do Sul - Participação da marca fora do Brasil e Argentina é de apenas 3%.  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

09/10/2006

PONTOS FORTES E FRACOS DA FASE PÓS-PRIVATIZAÇÃO

Editorial

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

6,98

9 votos

A transferência das ferrovias à iniciativa privada pode ser considerada positiva, mas pontos negativos, como a queda de produtividade dos vagões, não deixam de ser preocupantes.

Neste ano de 2006, completa-se uma década do início do processo de privatização das ferrovias brasileiras. Uma análise em perspectiva permite identificar aspectos positivos e negativos durante este período. Começando pelos aspectos positivos, é possível identificar os seguintes resultados:

1 - Crescimento do volume. Segundo os últimos dados disponíveis, o volume de cargas transportadas pelas ferrovias cresceu 55% desde o início da privatização. E o mais interessante é constatar que as cargas gerais, com 74%, cresceram num ritmo superior ao do minério de ferro, que avançou 47%;

2 - Aumento do faturamento. O faturamento conjunto das empresas ferroviárias saltou de R$ 2,29 bilhões para R$ 7,49 bilhões, um aumento substancial que representa um índice de crescimento de 213% no período;

3 - Aumento dos investimentos. Os investimentos das concessionárias cresceram substancialmente entre 1997 e 2005. Saltaram de R$ 398 milhões no ano em 1997 para R$ 3,1 bilhões em 2005. No acumulado, os investimentos alcançaram R$ 9,5 bilhões;

4 - Resultados financeiros. Embora tenham acumulado prejuízos substanciais nos primeiros anos após as privatizações, nos últimos três anos as empresas ferroviárias vêm revertendo o resultado negativo;

5 - índice de acidentes. É uma das variáveis continuamente controlada pelo órgão regulador, ou seja, a ANTI. O índice foi reduzido em 56%, de 75,5 para 32,9 acidentes/milhão de trem por quilômetro;

6 - Oferta de serviços. Após a privatização, as empresas concessionárias passaram a oferecer uma série de serviços, não disponíveis anteriormente, como a movimentação de contêineres, os trens expressos, e informações sobre a localização das cargas;

Olhando para o lado negativo, destacam-se os seguintes aspectos:

1- A distância média percorrida permaneceu praticamente inalterada, próxima de 545 quilômetros. Este 11 número pode ser considerado baixo, se comparado com o das ferrovias americanas - distância média de 1.300 quilômetros - e indica que não houve crescimento significativo da malha ferroviária, nem acordos entre empresas concessionárias para trabalhar em tráfego mútuo ou direito de passagem ..

2 - A velocidade de percurso, que reflete a qualidade da linha férrea, manteve-se praticamente inalterada, crescendo cerca de 1,7%, ou seja, de 28,6 para 29,1 quilômetros por hora. Estes são números modestos quando se considera que nos Estados Unidos este valor está em torno de 40 quilômetros por hora;

3 - A produtividade dos vagões, ou seja, a quantidade de tonelada/quilômetros transportadas por ano, por cada vagão, se reduziu em 14,9%, o que é um indicador preocupante. Isto parece indicar o início de saturação de certos trechos, conseqüência do aumento do número de vagões e locomotivas nas linhas sem o respectivo investimento em expansão e melhoramento das linhas. De fato, o número de vagões passou de 53.837 para 94.075, o que representa um aumento de 75% no período. Da mesma forma, o número de locomotivas passou de 1.365 para 2.542, ou seja, um crescimento de 86%.

A comparação dos pontos positivos e negativos permite tecer algumas considerações sobre o resultados da privatização após cerca de uma década. Dadas as condições lamentáveis em que se encontravam as ferrovias estatais no Brasil, a decisão de privatizar pode ser considerada como bastante positiva.

O custo da não privatização seria enorme e os indicadores positivos são uma clara prova do que estamos falando. Por outro lado, os pontos negativos, principalmente a queda de produtividade dos vagões, não deixam de ser preocupantes. Ela parece ser o resultado da baixa velocidade de percurso, e distância média percorrida, que continua estabilizada em torno de 540 quilômetros por viagem.

O modelo e o contrato de privatização podem ser parte das explicações para a resistência dos concessionários em investir de forma mais intensiva na expansão e melhoria da qualidade das linhas.

A ANIF vem há anos tentando negociar com o governo federal, e mais especificamente com a Secretaria de Tesouro, uma revisão dos contratos de arrendamento, de tal forma que fosse possível direcionar o pagamento da concessão para os investimentos estruturais nas linhas.

Se tal pleito não tiver sucesso junto às autoridades federais, pode-se prever uma evolução bastante lenta do serviço ferroviário de cargas no Brasil.

* Paulo Fernando Fleury é diretor do Centro de Estudos em logística e professor do Instituto Coppead de Administração da UFRJ

 

Por Valor Econômico

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Recomendar   Imprimir

Clique para ampliar

Leia Também

Colaboração é a chave para a transformação em Procurement e Supply chain

Qualidade tem preço

O básico no financiamento das obras de infraestrutura

Como medir o processo logístico?

Onze anos à espera por Justiça. Onze anos de angústia, dor e saudade

Vitória a bordo

DHL desmistifica tendências comerciais na Ásia e revela implicações para a cadeia de suprimentos

Wilson Sons Logística amplia operações em Santo André

Gerenciar riscos em transportes e redução de acidentes

A importância de resgatar os valores da empresa

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística