Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 21 DE MAIO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  20/05/2018   CAP Porto Alegre realiza reunião - O Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Porto Alegre, realizou uma reunião. O encontro ocorreu ...     20/05/2018   Novo terminal da Fibria prevê operar 800 mil toneladas neste ano - Com a previsão de movimentar 800 mil toneladas até o final do ano, a F...     20/05/2018   Seminário discute melhorias nas rodovias federais - O lançamento do Anuário Estatístico de Segurança Viária nas Rodovias Federais e da Av...     20/05/2018   ANTAQ realiza audiência pública sobre licitação de terminal do Porto de Vitória - A Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ r...     20/05/2018   Governador vai a Brasília para tratar da duplicação da BR-415 e da Fiol - O governador Rui Costa já estava em Brasília para buscar um ent...     20/05/2018   Projetos de infraestrutura atraem atenção de investidores britânicos - No primeiro dia do Roadshow de projetos da Missão ABDIB-LSE em Inf...     20/05/2018   Ministro autoriza restauração de 140 quilômetros da BR-354/MG - A autorização da publicação do edital de licitação destinado à restauraçã...     20/05/2018   Ministério dos Transportes autoriza investimentos de mais de R$ 220 milhões para obras de infraestrutura em Foz do Iguaçu e Cascavel - O ...     20/05/2018   ANTAQ prorroga para o dia 04 de junho a consulta pública para licitação de seis terminais portuários no Pará - A Agência Nacional de Tran...     20/05/2018   Atingido por política da Petrobras, setor de postos protesta e quer mudanças no ICMS - Afetado pela política de reajustes de preços da Pe...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

10/01/2018

2018: Otimismo e realismo para o setor de transportes

Editorial

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

10/01/2018 07:00 - Adamo Bazani


Para muitos, uma simples virada no calendário. Para outros, supersticiosos ou não, momento de renovar as forças e a esperança.

O ano de 2018 está em seu início, mas já é recheado de notícias e expectativas.

A frase “Ano Novo, Velhos Problemas” infelizmente é real na mobilidade.

A falta de prioridade ao transporte coletivo, tanto no espaço urbano como na destinação dos investimentos públicos, é um problema que se arrasta ano após ano.

É verdade que após clamores sociais e uma participação maior da imprensa no tema, os responsáveis pelas gestões públicas começaram a ver o transporte coletivo e o não motorizado com mais atenção e várias ações foram tomadas, mas ainda insuficientes.

Uma das formas de diminuir as injustiças no uso de verbas públicas para a mobilidade e na ocupação das cidades é o transporte individual financiar o transporte coletivo.

Não adiantam discursos demagógicos. Tudo tem um custo, depende de dinheiro. Um corredor de ônibus do tipo BRT, um ônibus mais moderno com ar-condicionado, uma parada ou estação mais adequada...tudo isso é caro.

Os subsídios não podem ser encarados como “bicho de sete cabeças”. Subsídio ao transporte público não é apenas política de mobilidade, mas política social. É uma forma de garantir principalmente às pessoas de mais baixa renda e que moram mais longe acesso à saúde, educação, trabalho, renda e lazer. 

Um cálculo da tarifa de ônibus de São Paulo elucida bem isso. De acordo com dados oficiais da prefeitura, se não fossem os subsídios, que em 2018 devem ser entre R$ 2,1 bilhões e R$ 2,3 bilhões, a tarifa que desde domingo é R$ 4, iria para R$ 6,66.  Mas no mesmo levantamento, é evidenciado que sem o transporte público por ônibus, a maior cidade do País teria gastos a mais na ordem de R$ 750 milhões, em combustível de carros, acidentes e poluição do ar. Apesar de uma maneira correta o poder público tentar regular a poluição pelos ônibus (e isso tem de ser feito mesmo), o vilão do ar é o excesso de veículos nas ruas, em especial carros e motos. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/12/29/raio-x-transportes-sao-paulo-caixa-preta-transportes-onibus/

Guardadas as proporções de números, a conta de São Paulo vale para Curitiba, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo, Santo André, São Bernardo, Osasco, Guarulhos, Porto Alegre, Canoas, Recife, São Lourenço, Salvador, Camaçari, enfim, para o País todo.

Assim, o subsídio em si não deve ser encarado como problema, mas como solução.

A questão é saber de onde saem estes subsídios aos transportes. Em cidades e estados carentes de saúde, educação, segurança e infraestrutura, tirar grandes recursos para tarifas de transportes nem sempre é uma decisão acertada.

O ideal é gerar recursos e uma das maneiras mais prudentes é fazer com que o transporte individual, que ocupa mais espaço e polui mais, financie o transporte público.

A proposta da Cide Municipal, que se arrasta há anos no Congresso, parece ser a alternativa mais concreta. O imposto terá incidência sobre o litro do álcool ou gasolina do transporte individual. A arrecadação financiaria as tarifas de transportes coletivos, tornando-as mais baratas ou refreando os aumentos futuros.

Pode parecer estranho criar mais um tributo num país cuja carga tributária é elevadíssima, mas de uma maneira indireta, hoje o mais pobre que pega o transporte coletivo é tributado pela tarifa para dar condições para os carros continuarem congestionando as vias. Não se esqueça que além das gratuidades na maior parte do País, as tarifas embutem também impostos.

E grande parte destes impostos do transporte público indiretamente vai também para o transporte individual.

A Cide Municipal (ou imposto verde como é chamado agora) só vai fazer com que haja o caminho inverso: o individual financiar o coletivo.

Diversas cidades do mundo, que investem em transporte público, obtiveram os recursos para estes investimentos criando pedágios urbanos, zonas de restrição cujo acesso de carro é paga, e taxando de forma mais elevada os estacionamentos nas vias.

E em muitas destas cidades, se forem simplesmente convertidas as moedas, as tarifas de transportes públicos ainda são mais caras que as praticadas no Brasil. Dados de 2016, dos sites jornalísticos de alguns países mostram que a tarifa em Olso (Noruega) é de US$ 5,12; Copenhague (Dinamarca) é de US$ 4,88, Zurique (Suíça) é de US$ 4,66; Estocolmo (Suécia) de US$ 4,52; em Londres (Inglaterra) de US$ 3,70

Muitos podem questionar: mas a qualidade dos transportes nestes locais é superior.

Mas qualidade tem um custo. Veja as tarifas destas cidades que são mais altas e em alguns casos, os subsídios chegam a 60% dos custos.

O problema no Brasil não é o subsídio em si, mas de onde tirar o dinheiro. Se estes recursos vierem do transporte individual, é a maneira mais justa de “pagar de forma proporcional” a ocupação e os impactos no trânsito das cidades.

Outro aspecto importante para 2018 é que o ano é eleitoral.

A despeito de todas as discussões sobre a tão esperada sucessão presidencial, após anos conturbados no Planalto Central (ora no Palácio do Planalto, ora no Palácio do Jaburu) há também as eleições estaduais.

Quais as plataformas sobre a mobilidade dos candidatos aos governos. E os postulantes a deputados estaduais? – um cargo importante que nem sempre é levado a sério pelo eleitor.

O deputado estadual faz as leis, por exemplo, sobre mais transportes intermunicipais, mais transportes metropolitanos, gratuidades, integrações, etc. Também aprova ou rejeita os orçamentos do Estado, ou seja, o quanto o governador pretende gastar em cada aérea.

Não decida seu voto por promessas mirabolantes, porque o (a) candidato (a) é bonito (a), famoso (a), religioso (a), comediante, cantor (a), sindicalista, se foi indicação de um amigo ou parente. Procure saber o que este candidato a deputado propõe, seu passado e suas alianças políticas.

O país precisa renovar na política. Mas nem sempre o candidato (a) jovem ou que se lança nas eleições pela primeira vez tem a mentalidade renovada.

Não adianta o velho costume político numa embalagem nova.

Pesquise, mas cuidado com as Fake News (notícias falsas) das redes sociais.

Em relação à economia, os sinais são de melhorias, o que impacta na área de transportes também. Se a economia começar a girar, prefeituras, estados e União arrecadam mais e podem tirar do papel obras paradas.

Com mais passageiros, por causa da esperada retomada no nível de emprego (ainda muito lenta), as empresas de ônibus começam a ter mais entradas para investir. Todos ganham.

Quando um empresário compra um ônibus novo, por exemplo, além de o passageiro ser beneficiado com um veículo mais confiável, há todo um ciclo virtuoso. Há maior estimativa de geração de empregos na montadora do chassi do ônibus, na fabricante da carroceria, nas indústrias de peças, pneus, chicotes elétricos, vidros, fibras, nas siderúrgicas, na extração de minério. Há mais trabalhadores para os ônibus transportarem e mais cargas para os caminhões distribuírem. Com emprego, estes trabalhadores vão comprar mais nas lojas, mercados, concessionárias de veículos, vão ao cinema, teatro, no jogo de futebol... Só cuidado para não gastar além do que ganha e ficar endividado. O Brasil já caiu no conto do “vamos consumir, gente”

Mas a recuperação é lenta e o país ainda está com a ferida aberta da política que ainda pode influenciar na economia.

Por isso, que o momento é de otimismo sim, mas com a necessária dose de realismo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

Por ANTP - Adamo Bazani **

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Conflitos e convergências nas relações capital-trabalho

A disparada do petróleo

Um novo marco para o transporte de carga no Brasil

Um País para ser construído

Um novo consumidor

CAP Porto Alegre realiza reunião

Novo terminal da Fibria prevê operar 800 mil toneladas neste ano

Seminário discute melhorias nas rodovias federais

ANTAQ realiza audiência pública sobre licitação de terminal do Porto de Vitória

Governador vai a Brasília para tratar da duplicação da BR-415 e da Fiol

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística