Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 20 DE SETEMBRO DE 2017

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  20/09/2017   FERROGRÃO: A MAIOR APOSTA DO PPI - Foi com entusiasmo que o secretário do PPI (Programa de Parceria de Investimentos), Tarcísio de Freita...     20/09/2017   QUEM, AFINAL, INVESTIRIA EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL? - Sempre que ler algo sobre problemas para investir no Brasil, falta de atratividad...     20/09/2017   Crianças de escola municipal de Salvador participam de atividades durante a Semana Nacional de Trânsito - Muro grafitado com a ajuda das ...     20/09/2017   OMC: a derrota anunciada - SÃO PAULO – Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede...     20/09/2017   CPFL Energia avança na digitalização do atendimento ao cliente com reformulação do aplicativo “cpflenergia” - Novo aplicativo amplia de 1...     20/09/2017   CART leva ação “Saúde & Cidadania” para Paulistânia e Salto Grande - Concessionária oferecerá testes gratuitos de saúde e orientações sob...     20/09/2017   Estado do Rio retoma programa de privatizações para cortar despesas - Na esteira da adesão do Rio de Janeiro ao Regime de Recuperação Fis...     20/09/2017   Mercedes-Benz lança o eCanter nos EUA e anuncia UPS como parceira - A Daimler fez o lançamento global do FUSO eCanter em Nova York. No la...     20/09/2017   TRENSURB REALIZA CONSULTA PÚBLICA REFERENTE À MODERNIZAÇÃO DA BILHETAGEM ELETRÔNICA - Consulta possibilita a realização de contribuições ...     20/09/2017   Câmara votará criação do Plano Nacional de Redução de Mortes no Trânsito - Anúncio foi feito pela relatora da matéria na Câmara, Christia...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

18/11/2009

Rodovia vs. ferrovia ou rodovia + ferrovia

Editorial

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

8,79

5 votos

É de conhecimento geral que há tempos o País vem travando uma luta desnecessária, tendo de um lado a rodovia e de outro, a ferrovia.

A perda com isso é de ambos os modos, e, em especial, da sociedade brasileira.

A ferrovia teve início em 1854, e prosperou até o final da década de 40 do século XX, quando atingiu o seu ápice em tamanho, com 36 mil quilômetros. A partir daí decresceu, tendo hoje 29 mil quilômetros.

Podemos conjecturar que a decadência deveu-se à chegada da indústria automobilística, na década de 50 do século passado. Mas não pretendemos colocar a indústria automobilística nesse papel. Essa maravilhosa indústria merece todos os nossos elogios.

Até porque, se tivéssemos de escolher apenas um modo de transporte entre todos, ele seria o veículo rodoviário, sem qualquer dúvida. E pela simples razão de que ele é o único veículo capaz de fazer transporte ponto a ponto, permitindo a distribuição de mercadorias e as levando à população em quase todos os lugares.

É fácil imaginar o que teria ocorrido com a economia brasileira, e sua chance de crescimento, o que ainda pode acontecer se dermos mais atenção à ferrovia. E se a utilizarmos nas longas distâncias. Essa mudança na matriz de transporte, com transferência de cargas do modo rodoviário para o ferroviário, significaria, de imediato, uma redução nos custos de transporte, implicando em mercadorias a preços menores nas prateleiras do varejo, com mais consumo, pois é isso o que ocorre com qualquer renda extra.

Assim, não há como discutir a importância da ferrovia e o que ela pode representar para o País. Portanto, devemos lamentar o Estado ter relegado a ferrovia a essa situação, imaginando-a descartável. Mas nem tudo está perdido, já que o Estado foi obrigado a privatizar as suas operações. Hoje a ferrovia está renascendo, tendo passado de 18% a 26% da carga.

É bom que tanto a rodovia quanto a ferrovia se conscientizem da importância da distribuição de mercadorias para um país como o nosso, em especial do quanto vale o povo brasileiro, que é a razão de ser de qualquer ação econômica nacional. Assim, uma união dos dois modos traria apenas melhorias e crescimento a ambos. Se houver uma conscientização, e esta levar a uma divisão coerente da carga, em que cada um faz aquilo que é melhor, ambos ganharão. Não é necessário, para que um lado ganhe, que o outro tenha de perder, e isso já é hoje um pensamento mais comum. Utilizar as competências adequadas de cada um significa apenas dividir a carga de modo a que ambos, mais a sociedade, possam tirar disso o melhor proveito.

A lógica manda que a ferrovia tenha a carga que deve ser transportada a grandes distâncias, com isso reduzindo seus custos finais. A rodovia, por sua vez, deve ficar com a carga a ser transportada entre pequenas distâncias, num limite julgado ótimo, de no máximo 400 a 500 quilômetros.

E vide que essas distâncias, além de boas para o custo final de transporte e, por consequência, da própria mercadoria, é também ideal para o próprio transportador rodoviário. Aplique-se a isso o mesmo raciocínio que ocorre numa corrida de táxi, em que as viagens mais curtas são mais rentáveis do ponto de vista preço/quilometragem em face da bandeirada. Portanto, fácil é verificar que se o transportador rodoviário realizar apenas transportes de curta distância, maior será a sua receita relativa, cobrindo melhor seus custos. Assim, o ideal seria a sua perda de cerca de 25/30 pontos percentuais, ou metade de sua carga, ficando com apenas cerca de 30% da carga a ser transportada, aquela de ligação com outros modos e de distribuição.

Com o transporte ferroviário a realizar a transferência de carga a grandes distâncias, e a preços mais baixos de fretes e mercadorias -cuja consequência é o aumento da atividade econômica-, a economia seria alavancada e cresceria mais sustentadamente. Assim, não é difícil perceber que os transportes rodoviário e ferroviário não são mais complementares: um precisa do outro. Os dois juntos representam uma poderosíssima arma de logística a serviço da economia nacional.

 

Por DCI - SP

 

Qual a sua avaliação?

1 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

A desconfiança como fator limitador da competitividade no Brasil

Custo logístico no agronegócio derruba competitividade brasileira

Educação: a melhor alternativa para o desenvolvimento

Brasil na lanterna do crescimento

Sem planejamento, caminhamos para o passado

FERROGRÃO: A MAIOR APOSTA DO PPI

QUEM, AFINAL, INVESTIRIA EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL?

Crianças de escola municipal de Salvador participam de atividades durante a Semana Nacional de Trânsito

OMC: a derrota anunciada

CPFL Energia avança na digitalização do atendimento ao cliente com reformulação do aplicativo “cpflenergia”

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística